Campinas/SP - .
Foco no Cliente!

Logomarca - Tax Contabilidade

Faça aqui uma busca em nosso Site:

Remessa e Retorno de Teste

Resumo:

Estudaremos neste Roteiro os procedimentos para emissão da Nota Fiscal de "Remessa para Teste" e seu respectivo retorno, para tanto, utilizaremos como referência o Regulamento do ICMS do Estado de São Paulo, aprovado pelo Decreto nº 45.490/2000 e no que for necessário o Regulamento do IPI, aprovado pelo Decreto nº 7.212/2010.

1) Introdução:

É muito comum entre as empresas, principalmente entre as indústrias, a remessa de produtos acabados ou não para terceiros, a fim de serem realizados testes de verificação da adequação do produto fabricado, tais como: testes de resistência, durabilidade, ensaios, etc.

Para garantir a qualidade de seus produtos, as empresas também se utilizam da operação de "Remessa para Teste" para enviar produtos a outros estabelecimentos, da empresa ou de terceiros, a fim de analisar sua qualidade, é o que chamamos de "controle de qualidade".

Apesar de ser amplamente utilizada, essa operação possui um grande problema que afeta diretamente os contribuintes do ICMS, qual seja, ainda não há na legislação bandeirante procedimentos claros sobre sua operacionalidade e tributação. Na prática, devido a essa falta de previsão legal, os contribuintes devem buscar respaldo na legislação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para que assim realizem essas remessas com mais segurança.

Devido à importância do assunto, estudaremos neste Roteiro os procedimentos para emissão da Nota Fiscal de "Remessa para Teste" e seu respectivo retorno, para tanto, utilizaremos como referência o Regulamento do ICMS do Estado de São Paulo, aprovado pelo Decreto nº 45.490/2000 e no que for necessário o Regulamento do IPI, aprovado pelo Decreto nº 7.212/2010.

Base Legal: RICMS/2000-SP e; RIPI/2010.

2) Conceito:

Do "Novo Dicionário Aurélio da língua portuguesa", podemos extrair o seguinte: "testar” significa submeter a teste ou experiência (máquinas, instrumento, material, etc.); fazer funcionar experimentalmente; provar, experimentar.

Portanto, quando um dado produto é remetido para um terceiro efetuar testes, podemos concluir que o mesmo será submetido a análise, exame, verificação ou prova afim de se determinar qualidade, natureza, resistência ou comportamento sob determinadas condições.

O teste, ou análise, aplicado em determinado produto tem por finalidade agregar qualidade ao produto, antecipando a descoberta de falhas e incompatibilidades, refletindo em considerável redução de custos no processo de industrialização do estabelecimento.

Fonte/Base Legal: Ferreira, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário Aurélio da língua portuguesa. 3º Ed. - Curitiba: Positivo, 2004. pág. 1943.

3) Tratamento Tributário:

3.1) Quanto ao ICMS:

Regra geral, a saída de mercadoria (ou produto industrializado), a qualquer título, com destino a estabelecimento da própria empresa ou de terceiros constitui fato gerador do ICMS, sendo irrelevante que os mesmos se destinem a testes, análises, ensaios ou quaisquer outros procedimentos concernentes a apuração da qualidade do produto. Essa conclusão extraímos da leitura do artigo 2º, § 4º do RICMS/2000-SP, que trata dos aspectos relacionados à incidência do ICMS, in verbis:

Artigo 2º - Ocorre o fato gerador do imposto:

I - na saída de mercadoria, a qualquer título, de estabelecimento de contribuinte, ainda que para outro estabelecimento do mesmo titular;

(...)

§ 4º - São irrelevantes para a caracterização do fato gerador:

1 - a natureza jurídica das operações de que resultem as situações previstas neste artigo;

2 - o título jurídico pelo qual a mercadoria, saída ou consumida no estabelecimento, tiver estado na posse do respectivo titular;

(...)

Ressaltamos também que não há na legislação paulista qualquer previsão de incentivo fiscal (isenção, não incidência, suspensão ou diferimento) que autorize o não destaque do ICMS nas referidas operações.

Assim, na remessa de mercadoria para teste, será emitido Nota Fiscal normalmente tributada, ou seja, com destaque do ICMS, que deverá ser calculado levando-se em consideração as regras definidas no artigo 37, I e 38, II, conforme o caso, do RICMS/2000-SP.

Porém, se as mercadorias forem beneficiadas por algum incentivo fiscal, isenção ou não incidência, por exemplo, a remessa será acompanhada de Nota Fiscal sem o destaque do ICMS, devendo ser consignado no campo "Dados Adicionais" do documento fiscal essa circunstância, com a indicação do dispositivo pertinente da legislação, ainda que por meio de código cuja decodificação conste no próprio documento fiscal.

Base Legal: Artigos 1º, I, 2º, I, 37, I, 38, II, 125, I e 186 do RICMS/2000-SP (UC: 04/02/14).

3.1.1) Base de Cálculo (BC):

Conforme já mencionamos a remessa de mercadoria para teste deverá ser normalmente tributada pelo ICMS, desta forma, a determinação da BC do ICMS nessa operação torna-se extremamente necessária.

Regra geral, a BC nas saídas de mercadorias, a qualquer título, de estabelecimento de contribuinte, ainda que para outro estabelecimento do mesmo titular é o valor da operação. Na hipótese de ausência desse valor a BC corresponderá ao:

  1. preço corrente da mercadoria ou de sua similar no mercado atacadista do local da operação ou, na sua falta, no mercado atacadista regional, caso o remetente seja produtor, extrator ou gerador, inclusive de energia;
  2. preço FOB estabelecimento industrial à vista, caso o remetente seja industrial; ou
  3. preço FOB estabelecimento comercial à vista, nas vendas a outros comerciantes ou industriais, caso o remetente seja comerciante.

No caso de aplicação das letras "b" e "c" acima, adotar-se-á sucessivamente:

  1. o preço efetivamente cobrado pelo estabelecimento remetente na operação mais recente;
  2. caso o remetente não tenha efetuado venda de mercadoria, o preço corrente da mercadoria ou de sua similar no mercado atacadista do local da operação ou, na falta deste, no mercado atacadista regional.

No que se refere a letra "a", se o estabelecimento remetente não efetuar vendas a outros comerciantes ou industriais ou, em qualquer caso, se não houver mercadoria similar, a BC será equivalente a 75% (setenta e cinco por cento) do preço de venda corrente no varejo, observado o disposto nos números "1" e "2" acima.

Base Legal: Artigos 37, I e 38 do RICMS/2000-SP (UC: 04/02/14).

3.1.2) Alíquota:

Em relação a alíquota do ICMS, o contribuinte deverá primeiramente verificar a destinação da mercadoria, se interna ou interestadual, para só então verificar qual alíquota deverá ser utilizada na operação:

  1. nas operações internas: utilizar a alíquota interna prevista para a mercadoria, normalmente 18% (dezoito por cento), mas dependendo da mercadoria poderá ser aplicado as alíquotas de 7% (sete por cento), 12% (doze por cento) ou 25% (vinte e cinco por cento);
  2. nas operações interestaduais: utilizar a alíquota interestadual, ou seja: (1)
    • 7% (sete por cento) nas remessas com destino a contribuintes localizados nos Estados das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste e no Estado do Espírito Santo;
    • 12% (doze por cento) nas remessas com destino a contribuintes localizados nos Estados das regiões Sul e Sudeste; ou
    • 4% (quatro por cento), nas operações interestaduais com bens e mercadorias importados do exterior que não tenham sido submetidos a processo de industrialização ou que, ainda que submetidos a processo de transformação, beneficiamento, montagem, acondicionamento, reacondicionamento, renovação ou recondicionamento, resultem em mercadorias ou bens com Conteúdo de Importação (CI) superior a 40% (quarenta por cento), conforme disciplina específica e, observadas as hipóteses de não aplicabilidade dessa alíquota. (2)

Caso a mercadoria esteja amparada por algum incentivo fiscal que conceda a redução da alíquota do imposto, esse incentivo deverá ser observado no momento da emissão da Nota Fiscal.

Notas Tax Contabilidade:

(1) Nas operações interestaduais que destinarem mercadorias a pessoa não contribuinte do imposto, aplicam-se as alíquotas previstas nas operações ou prestações internas.

(2) Quer saber mais sobre alíquota interestadual do ICMS de 4%?, então recomendamos a leitura do Roteiro intitulado "Alíquota interestadual de 4% para produtos importados" de nossa lavra.

Base Legal: Artigos 52, I a III, § 2º 53-A, 54, 55 e 56 do RICMS/SP-2000 (UC: 04/02/14).

3.1.3) Teste como etapa do processo de industrialização:

Na época em que vigorava o ICM, determinado contribuinte ingressou com pedido de parecer na Consultoria Tributária da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo, com objetivo de sanar dúvidas em relação à tributação da operação de remessa para teste de mercadorias que posteriormente seriam destinadas à industrialização ou comercialização pelo autor da encomenda.

Esse contribuinte expôs na inicial que "possui um laboratório metalográfico para análise" e que pretende "estender esse serviço de análise para terceiros", além disso, informou que as peças remetidas podem se destinar à revenda, ao Ativo Fixo ou ao próprio uso do autor da encomenda e que o material após analisado retornará ao estabelecimento do terceiro remetente. Por fim, o contribuinte indagou:

  1. a Nota Fiscal que acompanha o material a ser analisado deve conter o destaque do imposto?
  2. ou a não incidência deverá basear-se no fato de que o material depois de analisado retornará? Ou, ainda, deverá fundamentar-se no destino que o material teve ou teria quando adquirido pelo estabelecimento remetente?

Em resposta ao contribuinte, a Secretaria da Fazenda editou a Resposta à Consulta nº 9.496/1976, cujas questões foram sanadas nos itens 2 a 5 dessa Resposta:

Resposta à Consulta nº 9.496, de 05/05/1976 – Boletim Tributário nº 92, p. 316

Análise – Industrialização ou Serviço?

1. Expondo que 'possui um laboratório metalográfico para análise de peças'; que estas peças 'são, na maioria das vezes, consumidas no processo de análise'; que pretende 'estender esse serviço de análise para terceiros'; que as peças remetidas por estes terceiros podem se destinar à revenda e/ou uso próprio ou ao ativo fixo do autor da encomenda; que, no caso de análise para terceiros, o material analisado retornará ao autor da encomenda, indaga a consulente:

a) se a Nota Fiscal que acompanha o material a ser analisado deve conter o destaque do ICM;

b) ou a 'não incidência deverá basear-se no fato de que o material depois de analisado retornará? Ou ainda, basear-se no destino que o material teve ou teria quando este fora adquirido pelo estabelecimento remetente?'.

2 - De acordo com o artigo 53 do Regulamento do ICM, o lançamento do Imposto Incidente sobre as saídas de mercadorias remetidas para industrialização está diferido para o momento em que, após o retorno do produto industrializado ao autor da encomenda, por este for promovida a subsequente saída.

3 - De acentuar, desde logo, que a análise ou teste, conforme entendimento desta C.T., constitui etapa do processo de industrialização.

4 - Assim, destinando-se a peça, depois de analisada ou testada, à industrialização ou comercialização, aplica-se o diferimento previsto no referido artigo 53, de maneira que a Nota Fiscal extraída pelo autor da encomenda não deve conter o destaque do ICM e sim a menção do diferimento, nos termos do artigo 128 do citado Regulamento do ICM.

Por ocasião do retorno da peça analisada (processo de industrialização que não acarreta o fornecimento de mercadorias), a consulente emitirá Nota Fiscal com a discriminação exigida pelo artigo 258 do Regulamento do ICM, sem destaque do ICM, porque o diferimento compreende o “valor dos serviços prestados”, nos termos do parágrafo 5º do artigo 53 do Regulamento do ICM, acrescentado pelo artigo 1º do Decreto no 7.009, de 07 de novembro de 1975.

5 - Destinando-se a peça analisada a uso do autor da encomenda ou ao seu ativo fixo, ocorrerá análise técnica a que alude o inciso 33 da Lista de Serviços, com a redação dada pelo artigo 3o do Decreto-lei federal no 834/69, incidindo sobre o serviço executado pela consulente o Imposto Municipal sobre Serviços de Qualquer Natureza.


Álvaro Reis Laranjeira

Consultor-Tributário


De acordo.

Antonio Pinto da Silva

Consultor Tributário-Chefe.

Como podemos verificar, a remessa para análise, ensaio, teste ou outro procedimento similar constitui etapa de industrialização, razão pela qual o contribuinte adotará o procedimento das operações de industrialização por encomenda, previsto no artigo 402 do RICMS/2000-SP, ou seja, a remessa será feita ao abrigo da suspensão do ICMS, desde que a saída subsequente se destine a comercialização ou industrialização pelo encomendante.

Caso o produto testado se destine ao Ativo Fixo ou ao uso do próprio estabelecimento encomendante, o preço do serviço prestado será tributado sob a rubrica de "Análise Técnica", de acordo com o subitem 17.09 da lista de serviços anexa à Lei Complementar no 116/2003, que dispõe sobre o ISSQN em nível nacional.

Notas Tax Contabilidade:

(3) O artigo 53 do Regulamento do ICM equivale ao artigo 402 do RICMS/2000-SP.

(4) O item 33 da lista de serviços referido na Resposta à Consulta corresponde ao subitem 17.09 da lista de serviços anexa à Lei Complementar nº 116/2003.

Base Legal: Subitem 17.09 da Lista de Serviços anexa a Lei Complementar nº 116/2003; Artigo 402 do RICMS/2000-SP (UC: 04/02/14) e; Resposta à Consulta nº 9.496/1976 (04/02/14).

3.2) Quanto ao IPI:

Regra geral, a saída de produtos de estabelecimento industrial ou equiparado a industrial constitui fato gerador do IPI, sendo irrelevante o fato de os mesmos destinarem-se a análise ou testes em outro estabelecimento da mesma empresa ou de terceiros ou, se os mesmos serão destruídos ou não após as análises e/ou testes executados. A fiscalização da Secretaria da Receita Federal a fim de pacificar entendimento sobre o assunto, publicou o Parecer Normativo CST nº 448/1970, o qual reproduzimos na íntegra para nossos leitores:

PARECER NORMATIVO CST Nº 448/70

01 – IPI

01.04 – Fato Gerador

01.04.03 – Saída de Estabelecimento Industrial

Ementa: A saída de produtos tributados de estabelecimento industrial é a hipótese, por excelência, que constitui o fato gerador do imposto, relativamente a produtos nacionais, irrelevantes o fato de os produtos destinarem-se a análise e/ou testes em outro estabelecimento de mesma empresa ou terceiros.

1. Estabelecimento industrial remete produtos de sua fabricação para serem analisados e/ou testados em outros estabelecimentos da mesma empresa ou terceiros, onde os mesmos são consumidos no curso das mencionadas operações.

2. Não sendo a operação em causa contemplada pelo RIPI com isenção ou suspensão do imposto e sendo à saída de estabelecimento industrial a hipótese, por excelência, que caracteriza a ocorrência do fato gerador do imposto, relativamente a produtos nacionais (RIPI, art. 7º, inc. III), estão os estabelecimentos indústrias que assim procederem obrigados à emissão da nota fiscal, com destaque do imposto, devendo este ser calculado sobre o valor tributável definido nos incisos do art. 21 do RIPI, observadas as hipóteses neles previstas (RIPI, art. 22).

3. Se, porém, tratar-se de produtos isentos, deverão ser acompanhados de nota fiscal, sem lançamento do imposto, com a declaração constante do inc. I do art. 89 do RIPI.

Este Parecer Normativo foi elaborado com base em RIPI já revogado, entretanto, está em plena conformidade com a atual legislação do IPI, ou seja, com o RIPI/2010.

Base Legal: Artigo 35 do RIPI/2010 (UC: 04/02/14) e; Parecer Normativo CST nº 448/1970 (UC: 04/02/14).

3.3) Quanto ao ISSQN:

Caso o produto analisado e/ou testado se destine ao Ativo Fixo ou ao uso do próprio estabelecimento encomendante (remetente), o preço do serviço prestado será tributado sob a rubrica de "Análise Técnica" e estará sujeito à tributação do ISSQN de competência Municipal, de acordo com o subitem 17.09 da lista de serviços anexa à Lei Complementar no 116/2003, que dispõe sobre esse tributo em nível nacional.

Base Legal: Subitem 17.09 da Lista de Serviços anexa a Lei Complementar nº 116/2003 (04/02/14).

4) Emissão das Notas Fiscais:

Estudaremos neste capítulo os procedimentos previstos nas legislações do ICMS (Estado de São Paulo) e do IPI para emissão da Nota Fiscal, Modelos 1, 1A ou 55 (NF-e), de remessa de mercadorias para teste, bem como seu respectivo retorno.

4.1) Remessa para Teste:

Conforme exposto no capítulo 3 acima, a Nota Fiscal de "Remessa para Teste" deverá ser emitida com destaque do ICMS, ressalvada a hipótese de o produto ou a operação estar amparada por algum incentivo fiscal, caso em que essa circunstância será indicada no campo "Dados Adicionais" do documento fiscal.

Em relação ao preenchimento da Nota Fiscal, além dos demais requisitos previstos na legislação, ela deverá conter no mínimo as seguintes indicações:

  1. Natureza da Operação: Remessa para Teste (Ensaio, etc...);
  2. CFOP: X.949, sendo "X", 5 nas operações internas e 6 nas operações interestaduais; e
  3. CST-ICMS: XYY, sendo "X" a origem da mercadoria e "YY" a regra de tributação do ICMS. Exemplo: "000", para mercadoria nacional tributada integralmente e "020" para mercadoria nacional com base de cálculo reduzida.

Para efeito de exemplificação, imaginemos que a empresa Vivax Indústria e Comércio de Eletrônicos Ltda., empresa sediada no Município de Campinas/SP, tenha remetido a empresa Qualicorp Assistência Técnica Ltda. 50 (cinquenta) monitores de computador (NCM: 8528.51.10) para testes de qualidade de som, a um preço unitário de R$ 350,00. Considerando que o teste faça parte da etapa de industrialização do produto, cuja remessa está amparada pelo suspensão do ICMS, teremos a emissão da seguinte Nota Fiscal de "Remessa para Teste":

Nota Fiscal de Remessa para Teste

O estabelecimento que receber os produto para teste pode aproveitar, a título de crédito do ICMS, quando devido, o total do imposto corretamente cobrado e destacado na Nota Fiscal acobertadora das mesmas. Porém, a autorização do creditamento fica condicionada ao posterior retorno do produto ao estabelecimento encomendante, ocasião que o imposto será destacado na Nota Fiscal de retorno.

Base Legal: Artigos 125, I, 186 e 402 do RICMS/2000-SP.

4.2) Retorno de Remessa para teste:

A Nota Fiscal de retorno será emitida nos mesmos moldes que a Nota Fiscal de remessa, inclusive, com o destaque do imposto se devido. Na hipótese de o estabelecimento destinatário não ser contribuinte do ICMS, o estabelecimento remetente deverá emitir Nota Fiscal relativa à entrada para fins de regularização da entrada da mercadoria no seu estabelecimento e apropriação do crédito do imposto quando cabível, conforme determina o artigo 136 do RICMS/2000-SP.

No que se refere ao IPI, pelo fato de o retorno não ser fato gerador do imposto, o IPI eventualmente destacado na Nota Fiscal de remessa não poderá ser devolvido nos moldes tradicionais, ou seja, lançado no campo próprio do documento fiscal. Nesta hipótese, para que o estabelecimento remetente possa se creditar do imposto pago na remessa, o destinatário deverá informar o valor do IPI no campo "Dados Adicionais" da Nota Fiscal de retorno, somando esse valor ao total da Nota Fiscal. A Nota Fiscal de retorno deverá ter o mesmo valor que a Nota Fiscal de Remessa.

Dando continuidade a nosso exemplo, imaginemos agora que 10 (dez) dias após a remessa a empresa Qualicorp emita Nota Fiscal de retorno dos monitores de computador. Referido documento fiscal deverá ser emitido da seguinte forma:

Nota Fiscal de Retorno de Teste
Base Legal: Artigo 136 do RICMS/2000-SP.

5) Escrituração das Notas Fiscais:

5.1) Remessa para teste:

O contribuinte que fizer a remessa da mercadoria para teste deverá emitir uma Nota Fiscal de saída, a qual será escriturada em seu Livro Registro de Saídas (LRS), indicando o valor do imposto destacado no documento fiscal na coluna "Operações com débito do imposto". Caso a operação esteja amparada por algum incentivo fiscal será utilizado a coluna "Operações sem débito do imposto".

Considerando nosso exemplo (Ver subcapítulo 4.1), teremos a Nota Fiscal de "Remessa para Teste" escriturada da seguinte forma:

Escrituração da Nota Fiscal de Remessa para Teste

5.2) Retorno de remessa para teste:

A Nota Fiscal de "Retorno de Teste" de que trata o subcapítulo 4.2 acima, deverá ser escriturada no Livro Registro de Saídas (LRS) do estabelecimento emitente da seguinte forma:

Escrituração da Nota Fiscal de Retorno de Teste

6) Penalidades:

Toda ação ou omissão que importe em inobservância, pelo contribuinte ou responsável, das regras estabelecidas na legislação do ICMS constitui infração passível de penalidade.

Respondem pela infração, conjunta ou isoladamente, todos os que de qualquer forma concorram para a sua prática ou que dela se beneficiem.

As infrações e penalidades, quando do descumprimento da obrigação principal ou das obrigações acessórias, estão relacionadas nos artigos 527 a 530 do RICMS/2000-SP.

Registramos que algumas penalidades previstas na legislação do ICMS estão expressas em Unidades Fiscais do Estado de São Paulo (UFESP), devendo ser convertidas para seu respectivo valor em Real, no momento do seu pagamento. A UFESP é reajustada anualmente pela Secretaria da Fazenda, caso queiram consultar seu valor, pesquisar em nosso site o termo "UFESP".

Base Legal: Artigos 527 a 530 do RICMS/2000-SP.
Treinamento
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia 17/11/2011 e atualizado em 04/02/2014, pela Equipe Técnica da Tax Contabilidade. Sua reprodução é permitida desde que indicada a fonte: Tax Contabilidade. Remessa e Retorno de Teste (Area: Manual de Emissão de Notas Fiscais). Disponível em: http://www.tax-contabilidade.com.br/matTecs/matTecsIndex.php?idMatTec=63. Acesso em: 28/08/2014.


Para ler nossas publicações e artigos no formato PDF é necessário ter instalado o Adobe Reader. Baixe agora mesmo clicando no link Get Adobe Reader:

Get Adobe Reader

Voltar Home Page Fale Conosco Gerar PDF